Chile sai na frente e licita contratação de serviços em cloud computing

  • Compartilhar

Ao participar do Forum de Líderes Governamentais, evento realizado pela Microsoft, no Rio de Janeiro, o CIO da Presidência da República do Chile, Renato Bustamante, disse que o primeiro processo de aquisição de serviços em cloud deverá ser concluído em maio. O modelo está ainda em construção, mas a privacidade e a soberania de dados são apontados como os  pontos mais críticos para serem tratados dentro do conceito de governo.

“O correio eletrônico do presidente da república (Sebastian Piñera) não irá para a nuvem. Isso é uma decisão que não dá como mudar. Há informações confidenciais e estratégicas que precisam ficar guardadas num local seguro. Não temos como garantir isso sem saber onde está o data center contratado”, detalha Bustamante.

Mas o CIO da presidência da República – cargo que foi criado por Piñera para otimizar os recursos de TIC – não esconde a sua intenção de, sim, usar cloud para agilizar a gestão pública. “Não acredito que a compra isolada de hardware, software e serviços possa trazer o que queremos: a melhoria dos serviços públicos. Não é um processo fácil. Há muito para mudar na cultura de cada órgão público. Mas unificar é a saída para se ter eficiência e preços mais justos”, avalia Bustamante.

No Chile, como no Brasil, um dos pontos mais críticos na contratação de cloud computing é a preocupação com a soberania dos dados. “Não temos uma regulamentação – estamos ainda discutindo como seria essa legislação – e precisamos ter a certeza que informações estratégicas estão protegidas. Neste caso, a ideia é ter uma nuvem privada eficiente. E por que uma nuvem? porque cloud chegou para ser usada”, reforça. A compra compartilhada de serviços também passa pelo desenvolvimento de ferramentas.

A presidência da República, por exemplo, criou um sistema próprio de gestão pública, que já está sendo contratado por outras autarquias e ministérios. “Não há a obrigação de comprar o nosso software, mas o gestor de cada autarquia terá de justificar o porquê de estar escolhendo um software que terá um custo maior de implantação e manutenção”, completa o CIO. Bustamante participou do Forum de Líderes Governamentais, evento realizado pela Microsoft, no Rio de Janeiro.

Comentários

  • Compartilhar

Posts Relacionados

Quem já está na nuvem certa