Data center: Falta de chuva aciona plano de contingência

  • Compartilhar

Fonte: Convergência Digital Dezembro

Se dentro de 40 dias não chover na região de Minas Gerais, o diretor da área de GTD da Abinee, Newton Duarte, admitiu que as indústrias da região Sudeste terão que adotar um plano de racionamento de energia. E um dos setores que deverá reduzir o consumo de eletricidade será o de data center. “Os planos de contingência estão à mesa e haverá a compra de geradores a diesel”, frisou.

A advertência do executivo do setor elétrico foi feita durante almoço da Abinee, nesta quinta-feira, 13/12, na capital paulista. Segundo Duarte, não adianta chover em São Paulo ou em áreas onde não há reservatórios em Minas Gerais. Duarte foi cauteloso e não quis falar em risco de apagões. Disse apenas que será necessário uma racionalização do gasto. “Choveu muito na primeira metade do ano, mas não onde precisava. E agora precisamos torcer para ter chuva para garantirmos a energia para a produção industrial”, reforçou.

Os data centers – em expansão no Brasil e grandes ‘devoradores’ de energia – já devem acionar seus planos de contingência para garantir o negócio. “Os fabricantes de geradores já estão tendo um final de ano movimentado”, disse Duarte, lembrando que as compras acontecem em toda a indústria. Não é a primeira vez que o esquema de emergência é acionado. Em 2009, um apagão – em novembro – fez faltar energia em 18 estados do país. Todos os data centers acionaram suas contingências, entre elas, os geradores a diesel.

Nesta quinta-feira, a Associação Brasileira da Indústria Elétrica Eletrônica (Abinee) divulgou os números do setor, que fecha 2012, com um faturamento de R$ 145,4 bilhões, ante R$ 138,1 bilhões movimentados em 2011, o que significa um incremento de 5%. Para 2013, o segmento prevê uma receita de R$ 156,7 bilhões com expansão de 8%. O balanço positivo, no entanto, não era o esperado.

A projeção para o ano era de um incremento de 13%. A crise internacional impactou. “Apesar da valorização do dólar, o real ainda está caro para a indústria, mas há também a questão do controle da inflação, ponto importante na gestão Dilma. Aliás, o governo Dilma recolocou a indústria como prioridade, mas ainda é preciso fazer mais”, destacou Humberto Barbato, presidente da Abinee.

Estudo do Gartner, divulgado em abril deste ano, mostra que a refrigeração é grande vilã nos data centers, respondendo por 50% do consumo energético. Já o custo de energia cresce, em média, 20% ao ano.

 

Comentários

  • Compartilhar

Posts Relacionados

Quem já está na nuvem certa