Flexibilidade com a nuvem privada

  • Compartilhar

Fonte: Decision Report 28 de Fevereiro de 2012

As empresas estão entendendo a importância do setor de TI como fator estratégico no sucesso de seus negócios. Sem TI não há crescimento. De acordo com a pesquisa da Abradisti (Associação Brasileira dos Distribuidores de Tecnologia da Informação), os investimentos em TI no Brasil vêm crescendo, em média, 10% ao ano, o dobro da porcentagem mundial. Isso inclui as empresas, independentemente do segmento em que atuam.

Atenta a esse cenário, a construtora e incorporadora Akylas Patrimonial precisava criar uma base de TI para suportar o seu crescimento. Aproveitou o momento favorável, trocou seu sistema e adotou uma nuvem privada. Segundo Gustavo Nicolau, diretor administrativo da empresa, a segurança da informação e a mobilidade passaram a ser pontos estratégicos para a tomada de decisão. “Nós tínhamos um problema de perda de dados, pois contávamos com um servidor interno que não era seguro”, conta.

Em parceria com a CorpFlex, a Akylas começou seu caminho em direção a essa mudança. A escolha pela nuvem privada se deu após um estudo feito pela construtora, que viu a necessidade de focar em mobilidade sem perder a segurança. De acordo com Nicolau, boa parte dos negócios da empresa acontecem fora dela, seja no plantão de vendas ou na obra.

“É fundamental que nossos profissionais consigam acessar qualquer tipo de informação relevante por meio de dispositivos móveis, em qualquer horário e local. Pelos e-mails, os executivos trocam informações sobre estudos de viabilidade, por exemplo, dados que são estratégicos para o negócio”. As construções estão espalhadas por regiões como Nordeste, Distrito Federal, Alagoas e no interior de São Paulo. Segundo o executivo, 100% da base de dados da empresa está na nuvem.

Essa implantação envolveu também a análise de usuários envolvidos na migração, da estrutura interna e depois a elaboração de um manual de procedimentos e de usuário. “A ideia é orientar o usuário sobre os possíveis problemas que podem acontecer nesse novo cenário tecnológico”, diz Nicolau.

O resultado desses investimentos foi a obtenção de um bom nível de governança em TI e um crescimento na ordem de 50% nos últimos anos. “Com o mercado de construção civil aquecido, a rotatividade de profissionais é grande, mas com essa nova realidade tecnológica não ficamos expostos à perda de informação. E em nosso setor, o histórico de informações é fundamental, pois uma obra, desde o projeto até a entrega, pode demorar entre oito a dez anos”.  Atualmente, a Akylas está investindo no aprimoramento de sua política de segurança e na troca de seu sistema de telefonia por uma solução mais avançada.

Comentários

  • Compartilhar

Posts Relacionados

Quem já está na nuvem certa