TI estratégica: menos foco na operação, mais tempo para inovação

  • Compartilhar

 

*Por Marcos Andrade

Como ter tempo para desenvolver uma TI estratégica e pensar estrategicamente no negócio se você, CIO, vive “apagando incêndios” na companhia em que atua? Essa deve ser uma pergunta que vem à sua cabeça todos os dias quando chega no escritório e olha para sua caixa de e-mails abarrotada de mensagens: algumas sobre o incidente com o servidor que aconteceu no final de semana e outras relacionadas à atualização dos sistemas de missão crítica e lembrando que hoje é dia de fechamento e que, provavelmente, haverá sobrecarga de acessos.

A resposta para a pergunta inicial é: ajustando o seu foco de atuação. Lembre-se que, quanto menos tempo for dedicado a atividades operacionais, mais tempo terá para desenvolver processos e pessoas, que são a base para trabalhar com alta performance em TI.

Imagine a filial de uma empresa que esteja participando de um processo de concorrência para atender um potencial cliente e, para isso, precisa montar uma oferta para a avaliação dele. Mas no meio disso tudo, a conexão com a matriz simplesmente cai e a unidade não consegue acessar dados importantes para prosseguir – como a quantidade de produtos que há em estoque e os valores que poderá negociar. Esse é um claro exemplo de problema de processo que pode ser eliminado ao adotar uma solução de firewall gerenciado que proporciona eficiência na comunicação entre matriz e filiais e fortalece a TI estratégica.

Já em se tratando de pessoas, pense em uma instituição de ensino, por exemplo. Ela não tem como foco manter uma estrutura robusta de TI para suportar sua atividade principal, certo? Por isso, quando seu CIO decide delegar a parte operacional para um parceiro altamente qualificado, ele passa a participar muito mais ativamente do negócio, interagir intensamente com os profissionais das demais áreas e entender profundamente seus desafios. Dessa forma, tem melhores condições para apoiar as pessoas. Tomando como exemplo a área de marketing, o executivo pode ajudar na elaboração de estratégias tecnológicas e inovadoras para analisar os produtos e serviços oferecidos pela entidade e auxiliar no seu posicionamento utilizando soluções baseadas em indicadores de Business Intelligence (BI).

Neste post você vai conhecer três vantagens oferecidas pelo modelo de cloud computing e pela contratação de um bom fornecedor que são capazes de ajudar o CIO na aplicação de seu mindset inovador e, assim, fazer um planejamento estratégico de TI. Veja:

#1 Você não precisa se preocupar com o desempenho e atualização da infraestrutura dos sistemas de missão crítica

Os sistemas utilizados em uma empresa, ao mesmo tempo em que são vitais para o desenvolvimento de todos os processos do negócio, também podem exigir atenção extra, como a infraestrutura. Essa necessidade, que acaba desviando o foco dos executivos da gestão estratégica de TI, pode ser repassada a um fornecedor qualificado de outsourcing de TI, migrando os sistemas de missão crítica para uma cloud corporativa. Dessa forma, não será mais preciso se preocupar com a compra de hardware, sem falar nas atualizações, que serão realizadas sempre em dia.

#2 A segurança das informações é garantida

A ideia de que ter os dados “dentro de casa” os deixa mais seguros é uma ilusão, pois o acesso a eles por meio de rede interna ou pela internet, caso a empresa não esteja devidamente protegida, pode deixar as informações muito mais vulneráveis. Já na nuvem a história é diferente: o local de armazenamento é adequado (data center) e há segurança de acesso físico e lógico e barreiras tecnológicas contra invasões, além de uma equipe especializada monitorando a integridade de seus dados constantemente.

#3 Garantia de utilizar tecnologias de ponta e ser prontamente atendido por equipes de alto nível

Você já ouviu falar em checklist de crise ? Trata-se de um procedimento que fornecedores de TI precisam apresentar para garantir que o CIO estará assistido 100% do tempo e mostrando como isso vai acontecer. Isso porque, além da disponibilização de equipes com avançado conhecimento técnico, o parceiro de TI ideal precisa garantir que a empresa não sinta os impactos de eventuais falhas e deve atuar muito rapidamente em casos de crise.

Por meio de benefícios garantidos pelo outsourcing de TI como esses, e, principalmente, contando com o apoio de um parceiro altamente qualificado para sua cloud corporativa, o CIO deixa informações e processos da sua organização em boas mãos e pode ficar tranquilo para se dedicar inteiramente a assuntos mais estratégicos e levar toda a empresa a se beneficiar da sua atuação e da tecnologia e inovação proporcionadas pela TI estratégica!

E por falar em inovação, vale a pena lembrar que não importa a área de atuação. Uma TI estratégica é capaz de contribuir fortemente para o desenvolvimento de qualquer segmento. Baixe agora mesmo um e-book sobre o tema para saber mais.

*Marcos Andrade é CMO da CorpFlex

Comentários

  • Compartilhar

Posts Relacionados

Quem já está na nuvem certa