3 grandes tendências de segurança da informação em 2019

  • Compartilhar
tendências de segurança da informação

Acompanhar as tendências de segurança da informação é um exercício constante para os gestores de TI. Também para os executivos de negócios que já entenderam que dados são ativos e precisam estar sempre íntegros e disponíveis.

Neste artigo, resolvemos mostrar o que os maiores especialistas no assunto estão apontando como essencial. Continue lendo para ficar por dentro do que vem por aí!

A importância de acompanhar as tendências em segurança da informação

Vivemos a era da transformação digital, quando as empresas incrementam suas capacidades tecnológicas e tornam suas gestões orientada a dados.

Logo, os dados são ativos importantes. Eles precisam estar sob camadas de proteção, o que envolve ferramentas, métodos e práticas sofisticadas de governança de TI.

Brasil na mira dos hackers

As estatísticas nos mostram a necessidade de elevar a proteção de dados a um patamar estratégico.

O Brasil é hoje o segundo país com maior número de ataques de ransomware — sequestro de dados por software malicioso.

Ameaças globais

Em âmbito global também são frequentes os casos de violação de dados.

A rede americana Earl Enterprise, controladora de restaurantes como Planet Hollywood, Buca di Beppo e Mixology, foi uma das vítimas mais recentes. Uma falha de segurança em seus servidores facilitou o roubo de 2 milhões de números de cartões de créditos.

Indisponibilidade das aplicações

E não é somente os hackers que preocupam. Um estudo global da Vanson Bourne aponta que, apesar de estarem aproveitando cada vez mais a cloud computing, as organizações têm pouca preocupação com a disponibilidade.

No Brasil, segundo o relatório “26% dos entrevistados foram impactados por uma interrupção no serviço de nuvem. Isso resultou em tempo de inatividade do sistema (65%), seguido por perda de receita (50%). Também gerou redução na satisfação do cliente (35%) e incapacidade de testar cargas de trabalho (31%)”.

Nós sabemos, a disponibilidade das aplicações e da infraestrutura de TI é um dos pilares da segurança da informação.

A indústria contra-ataca

A boa notícia é que, ao mesmo tempo em que as ameaças se sofisticam, crescem também as respostas da indústria de TI.

Aplicações e serviços de segurança da informação estão cada vez mais disponíveis e fáceis de implementar. Mas é preciso acompanhar as tendências para melhor aproveitá-las.  

3 tendências de segurança da informação para ficar de olho em 2019

Confira, a seguir, o que os especialistas apontam como tendência em segurança da informação para este ano.

1. Regulamentação mais rígida para proteger usuários

A criação de leis mais rígidas para proteger os usuários já é uma realidade.

Na União Europeia entrou em vigor recentemente o General Data Protection Regulation (GDPR). Em síntese, essa legislação visa garantir aos cidadãos europeus total controle das informações que criam, processam, compartilham e armazenam. Logo, as empresas que coletam e utilizam dados de clientes precisam seguir uma série de regras.

Este mesmo movimento também já está acontecendo no Brasil. Por aqui já está em vigor a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD). Ela, basicamente, obriga organizações públicas e privadas a cumprirem padrões de segurança para impedir roubos, vazamentos e venda ilegal de informações digitais e eletrônicas.

Com novas diretrizes jurídicas, o que se espera é que a governança e a conformidade desempenhem um papel cada vez mais importante. Elas devem influenciar muito na maneira como as empresas lidam com dados em 2019.

2. Plataformas de segurança baseadas na nuvem

Diversos especialistas também apontam que os provedores de segurança baseados em nuvem vão ganhar mais força em 2019. Serviços oferecidos em plataforma, flexíveis e escalonáveis devem trazer mais tranquilidade às organizações.

Os sistemas de segurança baseados em nuvem são criados com APIs abertas. Isso permite integrar tecnologias à plataforma com relativa facilidade e ativar ou desativar as camadas de proteção, dependendo de suas necessidades.

Devido à flexibilidade e escalabilidade da segurança baseada em nuvem, as organizações agora têm visibilidade adicional em seus ambientes. A visão estática da organização com um conjunto definido de tecnologias, protegendo pontos específicos da rede, pode ser superada.

A segurança baseada em nuvem também permite mais automação e orquestração. Automatizar respostas às ameaças, rotinas de backup, monitoração etc. é uma grande vantagem.

3. Inteligência artificial no monitoramento de riscos

Por fim, entre as tendências de segurança da informação, destaca-se o uso da inteligência artificial na análise de riscos. Especialmente no que diz respeito às transações financeiras.

Cada vez mais, as empresas do mercado financeiro empregam inteligência artificial e aprendizado de máquina (machine learning) para suas análises. Graças a um desenvolvimento significativo nesta área, elas poderão contar cada vez mais com algoritmos para decidir quais transações são suspeitas.

O uso de inteligência artificial na detecção de fraudes reduz falsos positivos, porque ela é capaz de analisar um conjunto muito maior de pontos de dados, conexões entre entidades e padrões de fraude.  

Com inteligência artificial, a análise aprofundada é concluída em milissegundos. Isso reduz o trabalho manual gasto nas transações de monitoramento, porque menos casos exigem atenção humana.

A qualidade do trabalho dos analistas de fraudes também aumenta à medida que sua carga de trabalho é reduzida. Isso permite que eles se concentrem apenas nos casos mais importantes. Como resultado, o custo das operações anti fraude é reduzido e a taxa de transações genuínas processadas com sucesso aumenta devido a uma melhor avaliação de risco.

Que tal, o que você achou das tendências de segurança da informação em 2019? Leia agora: Segurança da informação: soluções da CorpFlex protegem empresas!

Comentários

  • Compartilhar

Posts Relacionados

Quem já está na nuvem certa