Alliar aprimora segurança de dados com CorpFlex

  • Compartilhar

 

A Alliar, uma das maiores empresas de diagnóstico médico por imagem do Brasil, aumentou a Segurança da Informação da sua operação com soluções da CorpFlex, especializada em cloud computing e outsourcing de TI. A companhia, que conta com mais de 5 mil colaboradores e 900 médicos parceiros, investiu em Firewall como Serviço incrementando a segurança de sua rede.

Fundada em 2011 após uma fusão entre quatro grandes players de diagnóstico por imagem, a Alliar está presente em 10 estados brasileiros. Para garantir a segurança dos dados, a empresa conta com as soluções da CorpFlex, principalmente em seu Command Center, que permite a operação remota e simultânea de equipamentos de ressonância magnética, além da visualização dos exames de imagem realizados em diferentes cidades do país.

A CorpFlex trabalha a interligação dos centros de Diagnósticos Médicos da Alliar. A companhia de saúde tinha preocupações com a Segurança da Informação, e também com relação ao controle e conectividade em todas as pontas deste complexo ambiente. De acordo com o coordenador de infraestrutura da companhia, Leandro Santos, hoje, as dificuldades foram sanadas e está garantida a alta disponibilidade de informações, com confiabilidade e redução de custos.

“O nosso Command Center, que interliga o Brasil inteiro em uma conexão de ponto a ponto com redundância, hoje conta com uma arquitetura de segurança dinâmica, com controles de banda e acessos e alta disponibilidade”, afirma Santos.

Segundo o CEO da CorpFlex, Edivaldo Rocha, o cliente entende que a busca de segurança e disponibilidade desse serviço é mais qualificado gerenciado por uma empresa especialista. “Fornecemos cerca de 80 firewalls para garantir a solidez da Segurança da Informação e a conectividade de cada unidade ao Command Center da Alliar. Já a telerradiologia da Alliar irá passar a usar o conceito na nuvem”.

Para o futuro, Santos revela que a perspectiva é modernizar ainda mais a infraestrutura de TI da companhia. “Em 2018, vamos estudar a opção de SIEM (Security Information and Event Management) para o gerenciamento de eventos e informações de segurança, com intuito de criar uma correlação e integração com outras ferramentas. Também focaremos em projetos de automação e Inteligência Artificial, então, também teremos que aprimorar ainda mais nossa infraestrutura e arquitetura de rede”, afirma Santos.

Comentários

  • Compartilhar

Posts Relacionados

Quem já está na nuvem certa