Plano para Recuperação de Desastres: o seu TI tem um?

Atualmente os processos organizacionais são desenvolvidos por meio da tecnologia, o que por sua vez, ganha uma atenção específica, pois uma simples indisponibilidade pode impactar drasticamente os resultados da companhia.

Partindo dessa premissa, cresce exponencialmente a demanda por Disaster Recovery.

Disaster Recovery é uma expressão em inglês que significa Recuperação de Desastre, é um conjunto de políticas e procedimentos que tem por objetivo, garantir a recuperação ou a continuidade de uma infraestrutura de TI depois de ter acontecido algum sinistro que pode estar associado a:

 

  • Quedas de energia elétrica;
  • Falhas técnicas;
  • Catástrofes naturais;
  • Atentados de hackers;
  • Erro humano.

O último tópico é um dos principais responsáveis pela vulnerabilidade de segurança digital das empresas, o que por sua vez implica em perdas irreparáveis, seja de dados financeiros da companhia, dados de clientes e até mesmo na reputação da marca.

O propósito da CorpFlex é sempre manter a proximidade com você, levando informações relevantes que possam contribuir para longevidade dos seus negócios, sendo assim, compartilhamos com você os processos fundamentais na implementação de um DRP e 3 dicas para um plano de continuidade assertivo:

Processos fundamentais na implementação de um DRP

Os primeiros passos para execução correta de uma DRP devem sempre contar com a interação da equipe técnica e gestores de TI, sempre levando em consideração os seguintes pontos:

  • Análise da camada de infraestrutura com viés de melhorias;
  • Brainstorm como foco em discutir soluções aplicáveis;
  • Definição e adoção da solução que corrija as vulnerabilidades.

De forma detalhada para acelerar o seu processo interno, criamos um roteiro que pode ser utilizado na sua empresa:

  • Alinhamento das expectativas (metas);
  • Check up da infraestrutura em busca de identificar pontos de melhorias;
  • Papéis e responsabilidades;
  • Desenvolvimento de SLA’s e rotinas;
  • Implantação e acompanhamento do Plano de Desastre de Recuperação.

3 dicas para um plano de continuidade assertivo

Prevenção

A prevenção deve ser tratada sempre baseada em fatos e dados para que assim seja mitigado os riscos e vulnerabilidades.

O ponta pé inicial é na camada de infraestrutura, mas esse senso de prevenção deve ser estendido para todos os departamentos da empresa.

Melhoria continua da infraestrutura de TI

Ter conhecimento das necessidades básicas que a empresa precisa para performar (business core), contribui para que os esforços de melhoria continua sejam dedicados de maneira estratégica.

Integração entre departamentos

É fundamental que exista uma integração entre os colaboradores de TI e os demais departamentos, afim de ensinar sobre os riscos que estão expostos na web e como eles podem garantir a segurança deles e dos dados da companhia. Pautas como malware, ransomware e phishing podem ser um bom início na jornada de capacitação.

Equipe de gestão de incidentes

Ter especialistas e ferramentas monitorando de forma proativa a saúde da infraestrutura e aplicações garantindo rápida reação a incidentes, ampliará a disponibilidade dos recursos de tecnologia, possibilitando que as operações estratégicas sejam o menos impactadas possível e a produtividade se mantenha em alta.

Saiba mais sobre a solução de Disaster Recovery.

CORPFLEX

Como sua empresa pode reduzir os custos com Operação de TI

Baixe agora o E-book e tenha acesso a dicas imperdíveis de soluções tecnológicas que trarão economia surpreendente em infra de TI para sua empresa

Baixar eBook

Posts relacionados

  • E-mail Exchange: quais as vantagens de contratar?

    Leia mais
  • Por que as PMEs não adotam cibersegurança?

    Leia mais
  • LGPD: CONHEÇA AS 7 DÚVIDAS MAIS FREQUENTES E SE ADAPTE A ESSA NOVA REALIDADE

    Leia mais