Redução de custos em TI: 4 argumentos de vendas

  • Compartilhar

 

*Por Rafael Torres

Você já deve ter ouvido muitos dos seus clientes ou prospects colocarem em dúvida o quanto a nuvem realmente traz de ganho financeiro para a empresa, não é mesmo? Esse é um questionamento antigo diante das constantes mudanças na atualidade. Em 2012, por exemplo, a União Europeia já sabia que investir em cloud computing era o segredo para sair da crise. As empresas para as quais você oferece as soluções na nuvem precisam entender que a estratégia de mudar o modelo de computação não é algo novo mas, sim, que garante o sucesso de qualquer empresa no momento atual. Antes de bater à porta do cliente, você deve compreender como investir em cloud significa reduzir custos para, então, ressaltar os benefícios e vantagens da nuvem privada.

Operar na nuvem pode resultar em ganhos de redução de custos próximos do 25%. Essa é a conclusão a qual chegou a pesquisa realizada pela Sage X3 em vários países. Ainda segundo a pesquisa, 20% das empresas operam o ERP (Enterprise Resource Planning) na nuvem. As que ainda não colocaram em cloud tal aplicação voltada à gestão e desejam fazer isso, em breve somarão 60%. Outros 55% correspondem àquelas que almejam estar na nuvem para poder operar o sistema de gestão em aplicativos mobile. O seu cliente se enquadra nessas estatísticas? Então, mostre a ele o quanto é interessante entender as atitudes dos concorrentes diante das tendências que governam o mercado hoje.

Um dos mitos que precisam ser desvendados em primeiro lugar é que a nuvem é mais cara. Pois é justamente o contrário: investir em cloud computing é uma das estratégias mais seguras para empresas que buscam a redução de custos em TI. Companhias que gastam muito com infraestrutura devem estar no foco das vendas de solução em private cloud, porque a estrutura tecnológica fica mais leve e menos onerosa. Esses são seus principais clientes.

Mas como perceber os ganhos financeiros ao migrar para a nuvem? Como reduzir os custos de sua empresa com Cloud Computing? São perguntas simples de responder quando se observam quatro medidas. Confira:

#1 Quando há simplificação de Capex e Opex

Você sabe o quanto reduzir Capex e Opex é importante para a TI? O termo Capex se refere a Capital Expenditure, que significa investimento em bens capital. O que, para o seu cliente, representa investimentos em hardware, servidores, redes e outros equipamentos de infraestrutura. Já Opex, Operational Expenditure, trata das despesas operacionais, que incluem investimentos em mão de obra qualificada e, consequentemente, no pagamento de impostos.

Contratar um serviço de nuvem privada significa aumentar investimentos em Opex, reduzindo-os ao mesmo tempo. Como? Seu cliente terceiriza o operacional e consegue reduzir custos com mão de obra, investindo em soluções voltadas para cloud computing. Na nuvem, ele também reduz Capex, porque não precisa gastar com infraestrutura e consegue reduzir custos com o armazenamento. Migrar para cloud é uma estratégia de simplificação que traz retorno em momentos de crise, principalmente porque torna o Capex mais leve e o Opex mais eficiente.

#2 Quando investir menos em servidor físico significa ter mais disponibilidade

Nos antigos modelos de TI, substituídos gradativamente pela lógica de cloud computing, para ter disponibilidade era preciso gastar quantias vultosas com servidores, equipamentos de rede e sistemas operacionais. Hoje o seu cliente precisa saber que a solução para redução de custos de TI está na nuvem. Pergunte ao seu cliente: de que adianta investir em equipamentos que sofrem desvalorização constante e não atendem às necessidades da empresa? Qual é a lógica em continuar discutindo com empresas de telecom quando a conexão cai?

Para ter disponibilidade seu cliente precisa de performance e redundância nos links. Coisa que a nuvem resolve e ainda ajuda a manter. Porque com a parceria de TI certa, seu cliente não ficará mais pendurado ao telefone resolvendo problemas corriqueiros.

#3 Quando seu cliente paga pelo que usa

Na equipe do seu cliente nem sempre todos os funcionários têm agenda cheia. Pode passar um tempo até que problemas se apresentem ou que grandes demandas precisem ser resolvidas. De olho nisso, a cloud traz o conceito: pague pelo que usar. Isso vale para a contratação de equipes multidisciplinares e também para o licenciamento de softwares ou recursos de TI, como servidores e memória. Não é viável, em tempos de crise (e em qualquer outro momento), pagar por recursos que não são usados por completo.

#4 Quando existe ganho real em produtividade

Ligar para a empresa de telecom para recuperar o link não é exatamente sinônimo de eficiência. É, na verdade, um momento em que seu cliente depende totalmente de fatores alheios à competência dele. Não tem como ser produtivo ouvindo músicas de sala de espera, pendurado ao telefone. Essa situação, tipicamente operacional, é algo que o investimento em TI ajuda a eliminar. Assim como tantas outras tarefas de manutenção e resolução de problemas dos usuários da estrutura da empresa que o cliente tenta manter. Ao invés de trabalhar para corrigir problemas e atualizar sistemas é possível adotar a nuvem e ganhar produtividade no desempenho de atividades mais estratégicas, com foco ainda maior na redução de custos em TI. Mais produtividade significa maior retorno financeiro.

Para o seu cliente, investir é cloud representa reduzir despesas com infraestrutura e simplificar a operação de tecnologia da empresa. Para você, resulta em mais possibilidade de vendas, desde que saiba mostrar em quais momentos a vantagem econômica é evidente e certa!

*Rafael Torres é Gerente de Marketing e Alianças da CorpFlex.

Comentários

  • Compartilhar

Posts Relacionados

Quem já está na nuvem certa